O governador Eduardo Leite (PSDB) realizou um pronunciamento, na manhã desta quinta-feira (02), onde fez um balanço do “Modelo de Distanciamento Controlado” e classificou as próximas duas semana como “cruciais” no combate à pandemia no estado. Nesta semana, foi divulgada a oitava rodada de revisão bandeiras de classificação de risco, 9 das 20 regiões de saúde estão em bandeira vermelha, de alto risco. Quando o modelo foi implementado, apenas uma região estava nessa situação.

Leite avalia que os próximos 15 dias poderão ser o período o mais duro no combate à pandemia no Rio Grande do Sul: “ julho chegou com a pior das notícias, estamos com o sinal de alerta ligado pelo ritmo de ocupação das nossas UTIs”. Sem questionar a eficácia do “distanciamento controlado”, implementado no início de maio, o governador pediu a colaboração da população: “É fundamental que nos próximos 15 dias, nós retomemos os níveis de isolamento intenso que observamos no início de abril”. “Confiamos nos efeitos de contenção do nosso modelo de distanciamento controlado, mas o modelo só se concretiza a partir do comportamento das pessoas”, afirmou ainda.

A estratégia adotada pelo governo estadual não vem demonstrando resultados positivos no controle da pandemia de covid-19. No levantamento realizado pelo SINDPERS, na segunda-feira (29), se registrava um aumento de 467% no número de casos desde que o modelo foi implementado. Hoje, esse aumento já é superior a 527%, com 28.171 casos e 643 óbitos em decorrência do novo coronavírus. Além disso, os resultados da quinta etapa da pesquisa sobre a prevalência do coronavírus no território gaúcho realizada pela Universidade Federal de Pelotas (Ufpel) estimam que o número real de infectados está entre 32.891 e 81.059 pessoas. O estudo também calcula que exista um caso real de pessoa infectada pela covid-19 para cada 214 habitantes.