Na manhã desta terça-feira (11), as entidades sindicais deram seguimento à agenda de mobilização pelos projetos de reposição e estiveram na Assembleia Legislativa para acompanhar o resultado da reunião de líderes, que determina a pauta da Ordem do Dia da sessão plenária. A expectativa dos representantes das entidades é que houvesse acordo entre os parlamentares para o PL 317/2017, que recompõe os vencimentos dos servidores do Tribunal de Contas do Estado.

Com os votos contrários do MDB, PP e PT, não houve acordo e o PL 317 segue em tramitação na Comissão de Finanças, Planejamento, Fiscalização e Controle. Ao contrário dos outros três projetos, o 317, que ficou sob relatoria do deputado Marcelo Moraes (PTB), não teve parecer, sendo redistribuído para Ênio Bacci (PDT). O deputado recebeu o projeto e deu parecer favorável, para que pudesse ser apreciado já na próxima reunião da comissão. A Comissão de Finanças reúne-se ordinariamente sempre às quintas-feiras, 9 horas da manhã.

“As entidades estão unidas para garantir que os projetos tramitem juntos. Unidos, somos mais fortes e precisamos muito dessa força e de unidade para defender os interesses das categorias. Em um contexto tão duro como o que estamos vivendo no serviço público estadual, só foi possível chegarmos até aqui pela pressão nos deputados e, nesse contexto, categorias numerosas como as do TJ e do MP tiveram papel fundamental. Desunir os servidores públicos é parte do projeto do governo Sartori, e nós estamos muito atentos às manobras dos deputados da base aliada, mas também às da oposição, que inclusive surpreendeu a todos nesta terça-feira negando acordo à publicação do PL 317. Mas já conhecemos os movimentos na Assembleia, e seguiremos atuando para que tenhamos nossos direitos garantidos”, considerou o coordenador-geral do SINDPERS, Thomas Nicolas Vieira.