Longas jornadas de trabalho, pressão por resultados, falta de reconhecimento e incapacidade para equilibrar carreira e vida deram ao Brasil o primeiro lugar no ranking de países com os profissionais mais estressados do mundo. Entre 1.775 diretores de recursos humanos de 13 países consultados pela empresa de recrutamento Robert Half, 42% dos entrevistados brasileiros afirmaram que os funcionários enfrentam esgotamento e ansiedade. O resultado está muito acima da média mundial de 11%.

Quando questionados sobre os fatores que contribuem para gerar esse desconforto, 52% apontaram o excesso de carga de trabalho como a causa principal, seguido pela falta de reconhecimento (44%) e pressões econômicas (38%). Para André Caldeira, autor do livro Muito Trabalho, Pouco Stress, são geradores de tensão a velocidade dos avanços tecnológicos, as constantes mudanças de processos, a busca por reconhecimento e a necessidade de manter o padrão de vida.

Em relação às iniciativas que podem ser implantadas pelas companhias para driblar esse problema, o levantamento mostra que 60% apostam no trabalho em equipe e 51% optam pela reestruturação das funções de trabalho e tarefas. Para não perder não provocar impacto sobre o resultado global, as organizações têm adotado novas posturas.

— Muitas companhias reveem as estruturas, uma vez que falta de reconhecimento é um motivador. Incentivam o profissional a sair de férias, promovem eventos, flexibilizam atividades ou horários que provavelmente não afetarão no resultado, mas que trarão satisfação ao profissional — afirma Flávia Alencastro, gerente de divisão da Robert Half em Minas Gerais.

Equilíbrio é a palavra-chave para harmonizar carreira e bem-estar, diz Simoni Missel, diretora da Missel Capacitação Empresarial:

— O profissional precisa dividir seu tempo, administrá-lo e estabelecer prioridades. Planejamento e disciplina, não só na empresa, mas na vida pessoal, são fundamentais para diminuir o estresse e a ansiedade.

Dicas para o profissional

— Entenda os seus limites e onde está a sua felicidade. Calcule quanto tempo é dedicado ao trabalho, ao sono e à vida pessoal

— Não leve as preocupações do trabalho para casa, nem de casa para o trabalho

— Seja honesto consigo, não avalie que a empresa é a única responsável pela sua trajetória

— Revise seus hábitos e pense no que pode melhorar

— Tenha a mesma disciplina que dedica ao lado profissional para as atividades de lazer e saúde

— Pratique diariamente exercícios de relaxamento, principalmente antes de dormir. Concentre-se na respiração lenta e profunda por aproximadamente 10 minutos

— Combine o tempo de trabalho com horas de descanso, alimentação saudável e exercícios físicos (uma caminhada três vezes por semana, pelo menos) para diminuir a tensão muscular

— Faça planos para a vida pessoal e profissional e defina metas

— Pare de pensar nas situações negativas. Lembre-se das conquistas na carreira ou na sua vida e sinta orgulho de você

— Não fique 24 horas conectado à empresa. Desligue-se do smartphone e evite conferir os e-mails de trabalho na folga

Dicas para a empresa

— Desenvolva e incentive os líderes a permitir o diálogo com as equipes de trabalho

— Proporcione um clima de trabalho agradável e colaborativo

— Ofereça convênios com academias para prática de exercícios e ginástica laboral

— Aperfeiçoe o planejamento e a administração do tempo

— Mantenha os processos atualizados

— Adote horários de trabalho flexíveis ou, quando for possível, valorize o resultado e os prazos dos projetos mais do que o número de horas trabalhadas

Fonte: Zero Hora